Browsing All Posts filed under »Amor«

Jura

Janeiro 19, 2017

2

Envolvi-me tanto que confundi Teus olhos com o brilho das estrelas. Tua voz serena E teu sorriso aberto, São como o som das águas duma cachoeira em dias de verão. Teus dentes brancos Lembram-me a cor das túlipas do jardim dos meus sonhos. Tudo em ti é beleza bucólica. Teus cabelos macios E tua pele […]

Sentada na praça

Setembro 30, 2016

0

Sentada numa praça rodeada de transeuntes apressados, Depois de um dia cansativo e com certo desconforto, Tivestes ainda a graciosidade de olhar os céus e dizer-me o quão bonito estava. Não te contentastes com a descrição, desenhaste a imagem, Um convite inocente para ver a vida passar ao lado de alguém especial na calmaria apaixonante […]

Proibido 

Abril 5, 2016

1

  Enclausurado em minha mente sacra, Com meus sentimentos à flor da pele acorrentados, Um desejo ardente e medroso Separavam-me de ti. Tu, meu fruto proibido, Não imaginas o quanto esperei para lançar-me em teus braços. Ventura que nunca realizou-se, Éramos amantes sem o ser. De ti só provei o perfume, Imaginando o gosto dos […]

A generosidade sem palavras

Março 25, 2016

1

   Era o mês de Julho, período das monções na Índia. Havia apenas cinco meses que eu estava no país e precisava fazer uma longa viagem desde a cidade de Panjim até a cidade de Calcutá. Uma viagem de comboio (trem) que levariam alguns dias. Era a minha primeira viagem pelo país e eu não […]

As rosas que te dei

Março 6, 2016

1

  A sina de todo poeta é a saudade. Saudade de pessoas, Saudade de lugares, Saudade de cheiros e sabores. A mim, foi dada-me a sina da saudade de um sorriso teu. Um dia, por causa da saudade, Dei-te flores. Era saudade mesmo quando estavas por perto, E hoje que estás longe é mais saudade […]

Não, nem sempre fui poeta

Fevereiro 13, 2016

2

Não, nem sempre fui poeta, Nem tão pouco estudei a arte da poesia. Meus versos brotam como uma nascente d’água em um poço profundo, São poesias truncadas, Versos sem estruturas sintáticas, Meras palavras com as quais enuncio meus sentimentos. Há quem já tenha nascido poeta, Os sonetos, as rimas, as regras e as glosas Escorem-lhes pelas […]

Sensibilidade

Dezembro 27, 2015

2

Que lágrima é esta que corre pelo rosto? Que aperto é este no peito? Um coração atravessado pela saudade E uma mente perturbada pela ausência. Fazes tanta falta! Eras tão fraca, Mas eu sempre vi-te tão forte! De repente desapareceu, E deixaste um vazio imensurável. Será assim para sempre, Uma dor que nunca encontra alívio. […]