Na escuridão da noite 


Na escuridão da noite,
Ouço a voz do silêncio.
Solitário numa madruga que insiste em não chegar ao fim,
Sinto a presença dos que a longo tempo deixaram-me.
Não, não é fantasma ou espírito,
Mas a lembrança continua que nunca se desvanece.

Minha alma é pura confusão,
Confusão que envolve seres, lembras, pessoas e amores.
Não, não busco uma resolução antagônica à minha vontade.
Quero continuar perdido na escuridão da noite,
Nela não há conforto,
Há apenas a sensação de que no escuro experimento a liberdade.

Hoje eu não vi flores,
Certamente que elas estavam pelo caminho,
Mas a minha insensibilidade tamparam-me os olhos.
Será este o motivo deste sentimento de falta de ligação com o mundo?
Se pudesse voltar atrás,
Saudaria todas as flores do caminho e seria mais humano.

A escuridão da noite,
Outrora por mim tão temida.
Hoje é como um sábio calado sentado ao meu lado.
Ouço sua voz, mas não percebo muito bem.
Sinto uma necessidade de reconciliar-me com a minha humanidade,
Quem sabe é esta a voz que ouço.

por Luis A R Branco

Anúncios

Um pensamento sobre “Na escuridão da noite 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s