A MÍSTICA EXPERIÊNCIA RELIGIOSA

Posted on 3 de Agosto de 2016

1


img_0709-1A religião cristã tem por pressuposto fundamental a centralidade de Cristo na fé, na vida e na prática dos seus seguidores. Supor um cristianismo onde Cristo (a Verdade) não é absoluto, pois tal declaração pode ferir a sensibilidade daqueles que pensam diferente, é propor um cristianismo contraditório a si próprio. Isto não significa desdenho para com a religião alheia, mas a afirmação daquilo que é fundamental na fé Cristã. Entretanto, se outros grupos religiosos acreditam possuir uma verdade também absoluta, esta fará prova disto para seus próprios seguidores e possivelmente à outros sobre este fato com base em suas argumentações.

A cristologia é uma das mais importantes doutrinas cristã, que de forma prática significa: “A cristologia é pensar e falar (afirmando ou negando) que Cristo veio como a verdade que liberta, que salva e que dá a vida eterna”[1]. Este pensamento é similar em todas as vertentes vertentes históricas do cristianismo. Entretanto, o cristianismo clássico, em especial o cristianismo reformado, atribui estas características única e exclusivamente a Cristo. Não há hipótese possível do cristianismo biblicamente dividir estas ações de Cristo, de que ele veio como a verdade que liberta, que salva e que dá a vida eterna, com qualquer outra divindade.

Este absolutismo cristão é a razão de tantos ataques aos cristãos em todo o mundo, o que faz do cristianismo o grupo religioso mais perseguido do mundo.

Ser cristão significa um viver exclusivo para a pessoa de Jesus Cristo, nos séculos I e II cristãos eram executados não pelo fato de crerem em Jesus, mas especialmente por não incluírem nenhum outro em sua adoração, o que feria o orgulho dos imperadores romanos. Ramon Panikkar em seu livro “De La Mística” faz um interessante observação relativo à João 4:4 – ἐν αὐτῷ ζωὴ ἦν, καὶ ἡ ζωὴ ἦν τὸ φῶς τῶν ἀνθρώπων. Panikkar faz uma comparação entre as palavras ζωὴ e βίος[2]. Na qual apresenta a palavra ζωὴ como uma forma de vida, ou seja, uma vivência mística, enquanto que a palavra βίος está relacionada com a vida em si mesmo, o ser biológico. Panikkar convida o leitor à experimentar o ζωὴ, ou seja, uma espiritualidade que envolve a vivência e esta vivência de estar na luz. Lamento não ter ficado claro que esta luz seja o Cristo to texto evocado pelo autor.

A vida mística não é uma simples experiência da mente humana como alguns escritos sobre a mística nos fazem acreditar, como explica Panikkar: “… já que ao refletir sobre ela devemos usar nossas mentes”[3]. A mente é a porta de entrada para toda experiência espiritual, como bem escreveu o Apóstolo Paulo: καὶ ἡ εἰρήνη τοῦ θεοῦ ἡ ὑπερέχουσα πάντα νοῦν φρουρήσει τὰς καρδίας ὑμῶν καὶ τὰ νοήματα ὑμῶν ἐν Χριστῷ Ἰησοῦ. – Fp 4:7 – (E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.) – A palavra νοήματα (mente) é usada seis vezes no Novo Testamento, uma vez como designo (νόημα), sentido (νόημα), entendimento (νόημα), pensamento (νόημα) e duas vezes como mente (νόημα). Os textos em questão ajuda-nos a perceber que a experiência mística acontece na mente, nos sentidos ligados a mente e no entendimento. Em seu livro “O Regresso de Deus”, John Micklethwait e Adrian Wooldridge escreveram:

Um grupo pequeno, mas crescente, de neurobiólogos começou a estudar as ligações entre o cérebro e a espiritualidade. Andrew Newberg, um professor de radiologia da Universidade da Pensilvânia, tem colocado freiras e monges budistas numa máquina de scanning (separados, obviamente) para avaliar como funciona seu cérebro durante experiências espirituais. Descobriram que as experiências religiosas tem um grande impacto no cérebro. Tanto as freiras como os que meditavam apresentavam um aumento de actividade nos lombos frontais do cérebro, quando estavam em estados espirituais[4].

A mística religiosa tem sem dúvida efeitos sobre nossa mente e influência sobre todo o nosso ser. Nosso corpo e nossa mente respondem aos estímulos espirituais aos quais são expostos.

por Luis A R Branco

[1] Cristologia E Pensiero Contemporaneo. Genova: Istituto di filologia classica e medievale, 1982, 54.
[2] Panikkar, Raimon. De La Mística Experiencia Plena De La Vida. 2.ed ed. Barcelona: Herder, 2008.
[3] Idem, 170.
[4] John Micklethwait and Adrian Wooldridge, O Regresso de Deus: Como o regresso da fé está a mudar o mundo. Lisboa: Quetzal Editores, 2010, 208-209.

Conheça o livro O Caminho para a Espiritualidade do mesmo autor:

B086820B-8D63-4BFF-B1C4-BBA8B72DEC82.png

Anúncios