Me faltam os versos

Posted on 14 de Junho de 2016

2



Ah, como me faltam os versos!
Não os meros conjuntos de palavras rimadas,
Me faltam os versos que invadam-me a alma,
Tal como uma espada cruel atravessa o peito de um homem inquieto.
Versos que façam-me sangrar!

Ah, como me faltam os versos!
Não os meros conjuntos de palavras adocicadas,
Me faltam os versos que dizem-me quem sou,
Versos que revelam a condição do meu coração aflito,
Sem que eu saiba o motivo.

Ah, como me faltam os versos!
Não os meros conjuntos de frases em métricas,
Me faltam os versos que sem piedade apontem-me as doenças da alma,
Versos que funcionem como diagnóstico para uma alma ferida e perturbada.
Versos que curam ou versos que matam.

Ah, como me faltam os versos!
Não os meros versos de um poeta qualquer,
Me faltam os versos que venceram a mediocridade de um vocabulário vil,
Versos que transcendem o imaginário.
Versos que elevem-me ao Olimpo e alimentavam-me de ambrósia e me dêem à beber o néctar divino, ao som da lira de Apolo.

Ah, como me faltam versos!
Não meros versos de poesia,
Me faltam os versos que me abatam e me elevem,
Versos de amores, versos de dores, versos de desamores e versos de alívio.
Versos que mostrem-me a possibilidade de viver como um deus glorioso no Olimpo e versos que me mostrem a vulgaridade do meu viver humano na terra.

por Luis A R Branco

IMG_4457-0

CONHEÇA E ADQUIRA OS LIVRO DE LUIS A R BRANCO CLICANDO NUM DOS LINKS ABAIXO:

Anúncios
Posted in: Filosofia, Poema, Poesia