Proibido 

 
Enclausurado em minha mente sacra,
Com meus sentimentos à flor da pele acorrentados,
Um desejo ardente e medroso
Separavam-me de ti.

Tu, meu fruto proibido,
Não imaginas o quanto esperei para lançar-me em teus braços.
Ventura que nunca realizou-se,
Éramos amantes sem o ser.

De ti só provei o perfume,
Imaginando o gosto dos lábios teus.
Tua voz melodiosa arrancava-me suspiros .
Quem me dera ouvir tua voz bem ao pé dos ouvidos meus.

Eras minha,
Eu sabia,
Mas prisioneiros de meus tabus e medos,
Perdi-te como a água que nos escorre por entre os dedos.

Imaginei-te minha,
Imaginei-te entregue,
Imaginei-te nua,
Imaginei-te de todas as formas proibidas.

Sim, pecador eu sou,
Embora não tivesse escolhido ter desejos e vontades.
Sim, pecador eu sou,
Embora nunca tenha quebrado minha fidelidade.

Fui só,
Mas fui fiel!
Isto deve ser o que me doí tanto,
Afinal eras minha e eu era teu sem que nunca nos tivéssemos.

A paixão do que não foi corrói-me a alma,
Todas as oportunidades se foram,
Restou-nos a nós
E este gosto amargo de um amor proibido.

por Luis A R Branco

IMG_4457-0

CONHEÇA E ADQUIRA OS LIVRO DE LUIS A R BRANCO CLICANDO NUM DOS LINKS ABAIXO:

Anúncios

Um pensamento sobre “Proibido 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s