Elegía à Arquimedes 

  
Oh Arquimedes,
Grande engenheiro e matemático de Siracusa,
O que seria do mundo antigo sem a tua sapiência?

Oh Arquimedes,
A grande e riquíssima biblioteca de Alexandria galgou ainda mais em sua glória,
Quando tu nela colocastes os teus pés.

Oh Arquimedes,
Quem poderá medir o avanço dos teus cálculos?
Quem poderá compreender a importância das tuas invenções?

Oh Arquimedes,
Fostes invejado e roubado por quem desejava a tua sabedoria.
Mas não se pode roubar o dom sagrado da sabedoria do sábio, da tela do pintor, da escultura do escultor nem da poesia do poeta.

Oh Arquimedes,
Traçastes os primeiros contornos do mundo,
Fostes querido e admirado até pelos inimigos.

Oh Arquimides,
Fostes atravessado sem piedade com uma espada fria por alguém com sede de sangue,
Alguém que nunca imaginou que o Grande Arquimedes, proibido de matar, era tão simples e ao alcance da espada.

Oh Aquimedes,
Tua morte trouxe pesar ao maioral dos maiorais,
Marcellus lamentou a tua morte, Siracusa e Alexandria choraram.

Oh Arquimedes,
Que mais poderias teres tu inventado em vida?
Mas como tantos artífices partistes deixando o mundo mais empobrecido.

por Luis A R Branco

IMG_4457-0

CONHEÇA E ADQUIRA OS LIVRO DE LUIS A R BRANCO CLICANDO NUM DOS LINKS ABAIXO:

Um pensamento sobre “Elegía à Arquimedes 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s