Sombra 

  

Esta sombra sou eu,
Retrato em preto e branco que só mostra o que importa.
E o que importa sou eu.
Uma silhueta numa parede envelhecida,
Faz-me lembrar da minh’alma desgastada por um mundo cruel.

É melhor a sombra, pois ela esconde as lágrimas e o rosto entristecido.
É tarde da noite e eu a caminhar pelo coração de Lisboa,
Refletido nas paredes por onde passo está esta sombra que me persegue.

Nestas mesmas calçadas por centenas de anos também passaram poetas seguidos por suas sombras.
A sombra irreconhecível é o reconhecimento de que se está vivo.
Um dia este meu corpo arderá em câmara quente e com ele morrerá a sombra,
Que em fumaça e pó deixará de ser.

Continuarão a existir as mesmas calçadas,
Continuarão a existir as mesmas paredes,
Continuarão a existir poetas e havendo poetas sempre há de existir Lisboa.

por Luis A R Branco

IMG_4457-0

CONHEÇA E ADQUIRA OS LIVRO DE LUIS A R BRANCO CLICANDO NUM DOS LINKS ABAIXO:

Anúncios

Um pensamento sobre “Sombra 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s