Os evangélicos excêntricos

Posted on 31 de Dezembro de 2015

1


Four_Ls_Excentric_II

Se há algo que chama-me a atenção nestes dias sãos excêntricos. E em particular os excêntricos no meio protestante. É cada coisa esquisita que aparece que chegamos até ter vontade de desistir do protestantismo, não quero dizer desistir da fé em Cristo, mas da roda destes excêntricos. Um dia destes queria comprar uma Bíblia, queria uma Bíblia simples, João Ferreira de Almeida Revista e Corrigida Fiel, na loja não havia. O vendedor conduziu-me ao panteão das Bíblias Evangélicas e havia de tudo, Bíblia do Obreiro, da Mulher, do Homem, Teen, Missionária, Apologética, Genebra, Anotada, Thompson, etc. Mas, não havia uma Bíblia simples. O vendedor já impaciente perguntou-me outra vez: “Mas o que o senhor quer?” Respondi: “Uma Bíblia que seja só Bíblia, sem notas, sem interpretações, sem cores, só a Bíblia mesmo.” E a sua resposta foi: “Bíblia só Bíblia não temos.” Saí frustrado!

O mesmo acontece entre os pregadores de hoje em dia, é uma excentricidade impressionante, cada um quer mostrar que sabe mais que os demais, que tem a unção que os demais não têm, ter as piadas que ninguém mais têm e daí por diante. Um dia convidaram-me para um culto, o convite foi mais ou menos assim: “Vamos à Igreja Tal? Hoje vai pregar lá o Pastor Fulano, você vai gostar, a gente rir o tempo inteiro!” Que convite excêntrico, parece-me um convite para ir ao circo. Não fui, ainda que goste de circo em especial dos palhaços, mas não gosto dos excêntricos.

Vou dar alguns nomes para não ficar com hipocrisia insinuantes, e espero que se alguns destes excêntricos que hei de mencionar ler este texto, que absorva minha crítica como uma mais-valia na sua formação pessoal e não como uma crítica destrutiva. Vamos aos excêntricos, escolhi quatro para não alongar muito. O primeiro é o velho e antigo Caio Fábio, como mudou, dos pés à cabeça, das palavras aos pensamentos. Acho que ficou mais amargo! Sua aparência nos videos que grava lembram-me os Sai Babas da Índia, adotou um perfil místico, esquisito, nada a ver com que era, cabelo de Sadhu tipo Inri Cristo, chapéu islâmico, uma bengala de Preto Velho um linguajar e uma aparente soberba que lembra-me Olavo de Carvalho, mas para fazer justiça ao Caio, ele fala bem menos palavrão.

Outra figura excêntrica é o Silas Malafaia, o Ratinho Gospel. Não gosto de ouví-lo, não apenas por sua péssima teologia, mas também por sua maneira de falar dos outros. Ele sabe o que ninguém mais sabe e sobre tudo. Rico, vive a extrair mais e mais dinheiro dos seus ouvintes e fiéis com suas excentricidades. Tenho que concordar com o pessoal pró-homossexual, o Silas parece ter trauma de gay, nem a Bíblia dá a ênfase a este assunto que para ele é tão importante.

Ed René Kivitz, ex-discípulo de Caio Fábio, é um camaleão teológico, que muda de cor por onde anda e de tom conforme o tocar da banda. Outrora, ligado pelos laços da cumplicidade com Ricardo Gondim, foi um dos precursores do teísmo aberto no Brasil, mas não suportou as críticas e voltou atrás, hoje é o politicamente correto. Assisti a um vídeo dele um dia destes e ao ouví-lo falar sobre o que é igreja, da relação dos crentes com a igreja, evangelho e líderes cristãos, não tive dúvida, é mais um promotor do evangelicalismo cósmico na igreja, e possui uma tendências humanistas subjetivada, mas perniciosa.

Um outro excêntrico, porém menos acentuado que os demais é Ariovaldo Ramos. Sua excentricidade está justamente na sua versatilidade. Ele está escalado como pregador em todos os grandes eventos evangélicos realizados no Brasil e sobre os temas mais variados. O cara sabe tudo de tudo! Lembrei-me de ter ouvido certo pregador norte americano, que convidado para falar num encontro para casais declinou o convite com a explicação de que não era uma área sobre a qual conhecia o suficiente para aceitar ao convite. O Ariovaldo parece-me o melhor entre os excêntricos supra citados, mas sua envergadura, um pregador estilo MacGyver, capaz de usar um mesmo texto e aplicá-lo à tudo, mesmo que seja fora da sua área de especialização, é realmente incrível. É o meu excêntrico preferido.

Alguns dizem que falo tais coisas por inveja, o que não é verdade, até posso ser outro excêntrico, se avaliado por outros, mas posso garantir-lhes que a inveja não é um dos meus defeitos, o espirito crítico sim, este talvez o seja. Mas tenho tentado como apologeta de formação, levar as pessoas a pensarem e a refletirem sobre seus pensamentos.

Na verdade há tantos excêntricos que faltaria tempo para falar sobre todos, mas fica aqui a dica para aqueles que buscam a moderação.

por Luis A R Branco

Conheça o livro “O Caminho para a Espiritualidade”, por Luis A R Branco e José Carlos Pezini

B086820B-8D63-4BFF-B1C4-BBA8B72DEC82.png

ONDE COMPRAR

Anúncios