Penumbras da noite

  

Na madrugada,
Te olhava na porta do teu quarto,
Enquanto dormias incomodada com tuas dores.
Lembrei-me de quando era criança,
Uma vaga memória da tua presença ao meu lado
Nas noites em que estive doente.

Eu no início do meu caminho e tu no final da teu.

Olhei-te entre as penumbras da noite,
Teu corpo enfraquecido e magro confundia-se com as dobras da coberta.
Uma imagem inesquecível que gravou-se em minha mente.
Amei-te com a mesma ternura com que me amaste,
Desejei sofrer em teu lugar o tanto quanto tu desejaste sofrer no meu.
Uma troca de lugares não permitida por Deus.

Eu no meu sofrimento e tu no teu.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Penumbras da noite

  1. Lindo!
    Este lugar muitas vezes ocupo por meio dos meus sentimentos.
    Senso apurado de justiça, de querer que outrem não sofra.
    Como mãe e avó é o que sinto.
    Embora não quisesse jamais ter a dor. Mas ela existe e ainda estamos neste mundo. Saudades dos meus filhos, do meu neto tão criança. Vontade em breve nos encontrar e assim podermos brincar sem parar. Vontade estar com eles, para afofar a saudade, para mui útil ser-lhes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s