Rio Mondego

Leio poesia como quem lê uma prece

Na busca de nela encontrar todo alento 

Que minh’alma anseia.

Minh’alma vive assustada pelo vento,

Tal como um pardal assustado

Pelo vendaval.

Na poesia encontro a paz,

A palavra necessária,

E a exortação precisa

Para uma alma em rebeldia.

A poesia retira-me deste mundo frio é insensível, 

Para uma nova dimensão onde os sentimentos são entidades vivas.

A poesia passa suavemente pela minh’alma,

Assim como o o Rio Mondego passa silencioso, 

Pela bela Cidade de Coimbra. 

Oh, rio poético, que assim como a poesia me atrai para as tuas margens!

Sentado contemplo tuas águas espelhadas,

Tal como um monge contempla o céu.

por Luis A R Branco 

Se você gosta das minhas poesias adquira algum livro, tal como “Poemas” e assim contribuirá para que eu possa manter este blog e a oferecer todas as minhas poesias de graça.


ONDE COMPRAR

Anúncios

3 pensamentos sobre “Rio Mondego

  1. Entendo sua transcendência através da poesia. O mundo anda muito áspero. Mas o mundo também é poesia, o que me levar a crer que ainda existe amenidade nos olhos de quem vê. Quando ao Rio, foi uma construção de transporte, quase o pude ver. Abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s