CRIVELLA E AS FILHAS DE ACHELOUS

Extraído do Google Imagens

Extraído do Google Imagens

Era uma vez um homem malvado chamado Crivella e que sonhava em realizar três desejos na vida: Primeiro desejava ser um bruxo capaz de enfeitiçar Hidra de Lerna e usar seus poderes mortíferos para aniquilar com todo homem que acreditasse em bruxedos. Em segundo lugar desejava ser ministro e dominar os mares e rios do Califado Chamado Brasil. E em terceiro lugar, como era muito mau, desejava amputar a língua de todos os homens que habitassem os seus domínios, para que estes são falassem coisas más sobre a sua pessoa.

O primeiro desejo alcançou fácil, devido a sua habilidade com a bruxaria, logo havia escravizado Hidra de Lerna e construiu um domínio onde milhares de bruxos treinados nas artes maquiavélicas da extorsão e da mentira, e com o bafo venenoso de Hidra, levavam milhares a morte espiritual.

O segundo desejo foi um pouco mais complicado, mas como era afilhado de um grande bruxo, acostumado a lidar com guias, caboclos e orixás das trevas, juntos, uniram as suas magias e convenceram a rainha do Califado, que se chama-se Dilma, a lhe conceder a pasta que lhe garantia o domínio sobre os rios e mares.

O terceiro desejo precisava realizar imediatamente, antes que as pessoas pudessem falar mal, algo que não podia suportar, pois sofria de alguns traumas e complexos. Então logo emitiu uma ordem para que toda língua existente no Califado Brasil fosse imediatamente amputada. Foi uma desgraça só! Montes de línguas foram queimadas em praça pública, de crianças, jovens, adultos e velhos, ao ponto que não restou língua alguma no Califado, a não ser as dos membros do partido da rainha, pois viviam sob um juramento feito em nome de Belzebu de que nunca falariam mal se seus colegas.

E assim Crivella conseguiu alcançar seus desejos, enriquecer e praticar toda sorte de mal, tornando-se num homem maquiavélico em quem ninguém depositava mais o voto de confiança.

Um dia, após uma sessão de adoração a Belzebu juntamente com seu padrinho, Crivela resolveu fazer um passeio pelas margens do rio e conferir como estavam os bagres que tanto gostava, foi quando se viu atraído por uma doce música entoada pelas Filhas de Achelous. Tais canções tinham o poder de seduzir qualquer desavisado que por ali passasse. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam até mesmo os tripulantes dos barcos que passavam por ali para os afundarem possuindo assim as almas destes pobres homens. E assim foi atraído Crivella pelos cantos das sereias, e sem se dar conta do perigo que corria foi entrando rio adentro em direção às sereias. Na margem do rio havia algumas pessoas, que vendo a cena tentaram avisar Crivella, mas como não possuíam língua, não conseguiam gritar, e assim morreu Crivella vítima da sua própria maldade.

por Luis A R Branco

Adquira aqui o livro Aforismo

20140213-150859.jpg  1366131569-amazon logomarca google_play

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s