Cuidai-vos uns dos outros

group_prayerUm dos privilégios em ser cristão está no fato de convivermos numa comunidade de pessoas mutuamente responsáveis pela vida uns dos outros. A advertência apostólica sobre o viver cristão comunitário é que este cuidado deve ser a base da nossa relação: “Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.” (Cl 3:13). Isto significa que não apenas os obreiros bíblicos oficiais da igreja, diáconos e pastores, são os responsáveis pelo cuidado pastoral da comunidade.

Este aspecto é pouco falado e pouco vivenciado em nossas comunidades, fazendo que recaia sobre os pastores, que nem sempre possuem tempo e condições de cuidar de toda a igreja. A verdade é que determinados assuntos devem ser discutidos e tratados com pastor da igreja, mas na maioria das vezes, aquela palavra de ânimo, exortação, encorajamento e repreensão pode partir de qualquer irmão da igreja que esteja apto para isto. Com apto, o quero dizer, é que tal pessoa precisa estar em plena comunhão com Deus e com a igreja antes de poder aconselhar ou se envolver na vida de outro.

Neste breve texto espero deixar algumas orientações importantes para a igreja no que diz respeito ao cuidado espiritual dos crentes, visando assim uma maior participação da comunidade neste ministério do cuidado cristão:

  1. Todo cristão deve viver de forma tal que em qualquer momento ele esteja preparado para consolar, ensinar, exortar ou repreender seu irmão em Cristo. “Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” (2 Tm 3:17).
  2. Todo cristão deve ser humilde o bastante para receber este cuidado por parte de toda a comunidade e não apenas dos obreiros oficiais. “A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração.” (Cl 3:16).
  3. Não espere que as pessoas adivinhem o que se passa na sua vida, se precisa de ajuda, busque dentro da comunidade, e se preciso, procure o pastor para obter a ajuda necessária e no tempo certo, onde ainda é possível haver cura, arrependimento e restauração. “Quando não há conselhos os planos se dispersam, mas havendo muitos conselheiros eles se firmam.” (Pv 15:22).
  4. Não busque conselho com pessoas em disciplina, descrentes e fora da comunhão da igreja. “Quem é este que escurece o conselho com palavras sem conhecimento?” (Jó 38:2).
  5. Homens devem buscar conselho com outros homens e mulheres com outras mulheres, pois não é prudente um homem e uma mulher não casados compartilharem demasiada intimidade, pois além do risco de cair no pecado, corremos o risco de criar uma aparência do mal. “Abstende-vos de toda a aparência do mal.” (1 Ts 5:22).
  6. O pastor só deve aconselhar uma mulher sozinho em local público, ou no escritório pastoral com portas de vidro e janelas abertas, de forma que aqueles que estão do lado de fora sejam capazes de observar o que se passa lá dentro ou entre os dois. “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia.” (1 Co 10:12).
  7. Seja obediente ao conselho ou admoestação dada pelo pastor da igreja. “Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.” (Hb 13:17).
  8. Entenda que a ajuda que pode conseguir na igreja o que diz respeito ao aconselhamento é primeiramente de cunho pastoral. O pastor não é psicólogo, nem terapeuta ou psiquiatra. Se precisa de ajuda nesta área, deve buscar com profissionais capazes de realmente lhe ajudar nesta sua necessidade.
  9. Todo aconselhamento deve ser livre de cumplicidades, isto é, ninguém deve se tornar cúmplice de outro através do aconselhamento. O conselheiro deve ser livre para dizer a verdade e deixar com que a pessoa responda segundo o temos de Deus que houver em seu coração.
  10. Cuidado com aconselhamentos que se tornam vícios, ou seja, a pessoa nunca melhora ou não dá nenhum passo por si mesma sem a sua direção. Este tipo de relação não é saudável, impede que a pessoa cresça na sua fé assumindo suas responsabilidades espirituais e livra o conselheiro da cilada maligna da manipulação.

A lista acima poderia ser mais extensa, mas acredito que temos aqui o suficiente para desenvolvermos uma cultura de mútuo cuidado na igreja.

No Senhor,

by Luis A R Branco

Adquira o livro Caminho para a Espiritualidade

20140225-094518.jpg

Anúncios

2 pensamentos sobre “Cuidai-vos uns dos outros

  1. Muito boa esta recomendação bíblica, pois é justamente o tema que estamos estudando na EBD da nossa igreja. Este assunto tem nos despertado para nos levar a não somente evangelizarmos de boca, mas com ações práticas para a nossa comunidade, pois fizemos no mês de agosto/15 uma ação social onde muitas pessoas foram auxiliadas com atendimentos psicológicos, psicanalíticos, cortes de cabelo, roupas, alimentos, eletrodomésticos, etc. Foi um evento maravilhoso onde o Senhor nos abençoou de maneira muito forte!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s