Florbela Espanca

Florbela_EspancaNascida no dia 8 de Dezembro de 1894 em Vila Viçosa, no Alentejo. Florbela Espanca veio a se tornar uma das poetisas mais queridas e mais profundas entre os poetas portugueses. Suas primeiras poesias datam dos anos 1903 – 1904, com o poema “A Vida e a Morte”, soneto que escreveu em homenagem ao irmão Apeles, e outro escrito ao pai no dia de seu aniversário. Filha de uma relação extraconjugal viveu entre a agonia da saudade da mãe e a vida confortável providenciada pelo pai, apesar deste só a ter reconhecido como filha oficialmente como filha apenas dezoito anos após a morte de Florbela.

A vida amorosa da poetisa foi conturbada, casou-se pela primeira vez em 1913 com um amigo de escola, mas três anos mais tarde já havia largado o marido e foi viver com outro homem. Em 1925 passou pelo segundo divórcio, vindo a casar-se pela terceira vez no mesmo ano.

2013-09-01 18.40.00

Em 1917 Florbela matriculou-se na faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde foi uma das catorze mulheres entre os trezentos e quarenta e sete alunos matriculados.

Após a morte do irmão em um trágico acidente de avião, a vida da poetisa passou a ser repleta de instabilidade emocional e tentou o suicídio duas vezes, mais em Outubro e Novembro de 1930, na véspera da publicação da sua obra-prima, Charneca em Flor, após um diagnóstico de uma edema pulmonar, a poetisa perdeu definitivamente a vontade de viver. Não resistiu à terceira tentativa do suicídio e faleceu em Matosinhos, no dia do seu 36º aniversário, a 8 de Dezembro de 1930. A causa da morte foi uma overdose de barbitúricos.

2013-09-01 19.05.11

A poetisa teria deixado uma carta confidencial com as suas últimas disposições, entre elas, o pedido de colocar no seu caixão os restos do avião pilotado por Apeles quando sofreu o acidente. O corpo dela jaz, desde 17 de Maio de 1964, no cemitério de Vila Viçosa, a sua terra natal. Leia-se a quadra desse “admirável soneto que é o seu voo quebrado e que principia assim: “Não tenhas medo, não! Tranquilamente,//Como adormece a noite pelo outono,//Fecha os olhos, simples, docemente,//Como à tarde uma pomba que tem sono…

por Luis A R Branco

Ser Poeta (Florbela Espanca)

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Fonte: Entre outras, “Florbela Espanca,” Wikipedia, February 24, 2014, accessed February 24, 2014,http://pt.wikipedia.org/wiki/Florbela_Espanca.

Imagem: 1. Pintura de Florbela Espanca (2008) por Carlos Botelho. 2. Casa onde viveu Florbela Espanca em Vila Viçosa (imagem feita pelo autor). 3. Túmulo onde jaz o corpo da poetisa também em Vila Viçosa (imagem feira pelo autor).

Poesia: Texto extraído do livro “Sonetos”, Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, 2002, pág. 118.

Anúncios

Um pensamento sobre “Florbela Espanca

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s