O Twitter, a Lady Gaga, e Missões

Em um artigo recente, falei sobre o desenvolvimento do formato das Escrituras, desde as tábuas de pedras que Moisés recebeu no Sinai, até o iPad, e alguns dos benefícios da era digital. No entanto, hoje acordei com vontade de falar sobre o Twitter, a Lady Gaga, e Missões, e assim expressar um pensamento que venho ruminando já há alguns dias.

Como de costume, semanalmente dedico cinco horas do meu tempo para ouvir mensagens de outros pregadores, que escolho a dedo para não perder tempo a ouvir bobagens, e numa destas escolhi ouvir uma mensagem missionária, na qual o apresentador falava dos benefícios da tecnologia, em especial da Internet, para propagação das boas-novas, e apresentou a Lady Gaga como a pessoa mais influente no mundo, devido ao grande número de seguidores que ela possui no Twitter. Segundo o apresentador, numa questão de segundos, ela é capaz de espalhar uma mensagem por todo o mundo.

O Twitter é de fato um fenômeno interessante, curto, simples, objetivo e de grande alcance. É tão impressionante que vicia, e estes dias li um comentário de que certo pregador comparou Jesus ao Twitter, e por ai vai, neste caminho de percepção equivocada, se nos deixarmos levar, perdemos o verdadeiro sentido das coisas. Um grande erro na hermenêutica vigente é tentar entender as Escrituras Sagradas com os óculos do mundo, ao contrário de tentar entender o mundo com os óculos das Escrituras Sagradas.

Não sou contra o Twitter, ao contrário, percebo sua utilidade, mas quando penso na missão, vejo o Twitter como uma ferramenta interessante, mas não tão eficaz. O que parece chamar a atenção dos ávidos por números, é a facilidade do Twitter ligar as pessoas, basta abrir uma conta no Twitter e verá que logo terá algumas dezenas de seguidores. Já a Lady Gaga, ela tem quase onze milhões de seguidores, já o pobre Barak Obama, este tem uns míseros oito milhões e meio de seguidores. Então o apresentador da mensagem missionária que eu ouvia disse que nem o Obama influenciava tantas pessoas no mundo como a Lady Gaga, através do Twitter.

O Twitter e as demais redes sociais nos permitem expressar de forma curta um pensamento ou uma citação, etc. E há pessoas, os já viciados, que assim que começa o dia, navegam religiosamente por estas redes atrás das frases do dia, das fotos novas, e por ai vai. As redes sociais tornaram fáceis xeretar a vida alheia sem ser muito descarado. As redes sociais também tornaram mais fáceis à expressão das vaidades e orgulhos para que as pessoas invejem as nossas proezas. Se a Hyacinth Bucket, personagem do Keeping Up Appearance da BBC, fosse uma pessoa real, ela com certeza teria já ultrapassado a Lady Gaga em seguidores no Twitter, apenas para falar da sua sempre desastrosa “candlelight supper”. As redes sociais na verdade tornaram mais fáceis aqueles pecados sentimentais, que antes exigiam nossa presença física em determinados locais e situações, em outras palavras, conseguimos até digitalizar o pecado.

Não acredito que a Lady Gaga, com todos os seus seguidores no Twitter seja um exemplo daquilo que podemos buscar com o objetivo de comunicar a mensagem do Evangelho. Lady Gaga é um ícone terrível de tudo o que não presta na nossa sociedade em termos de valores morais. Ela é um logotipo da rebeldia imperante na juventude moderna, que se rebela não contra um sistema, mas contra si mesmo. A juventude destes dias tem sido marcada por frustrações pessoais, há uma tristeza que paira no horizonte dos nossos jovens, cada vez mais perdidos em termos de valores e objetivos na vida. Fazer parte das redes sociais parece ser uma nova forma de medicar a ansiedade de uma vida sem sentido.

Sendo a Lady Gaga um logotipo, uma marca apreciada, então, as pessoas querem se apegar a ela. Veja bem, antes as pessoas compravam roupas de marca, carros de luxo, freqüentavam locais requintados, para poder satisfazer seu ego e também para não parecer menos que os outros, hoje, na era digital, conhece-se a pessoa pelas comunidades as quais ela pertence, é uma forma de sair da impersonalidade, e agora cito Gilles Lipovetsky, é “um desejo de integração no grupo dos pares, um eu que reivindica, aos olhos de todos, os símbolos, da sua aparência”.[1]

O Twitter e a Lady Gaga até conseguem atrair milhões de seguidores, mas não conseguem transformá-los ou preencher suas carências afetivas e existenciais. E duvido muito, que qualquer estratégia missionária que tenta imitar as estratégias do mundo será capaz de igualmente gerar transformação na vida de seus seguidores. É preciso observar o evangelho e ver Jesus. Não vemos Jesus atrás de grandes multidões, elas é que iam atrás dele, pois a palavra que ele comunicava era diferente de tudo aquilo que as pessoas estavam acostumadas a ouvir (Mt 7.29). Seguidores mesmo, Jesus buscou doze, os demais que o seguiam, faziam por iniciativa própria. Às vezes me impressiona as estratégias missionárias e evangelísticas que justificam suas ações e medem seus impactos em números. É como se as coisas só fossem boas e dessem certos se tivesse um bom número de aderentes. As ações missionárias e evangelísticas não podem ter seus potenciais avaliados por números.

Jesus não aparece contabilizando no evangelho, os discípulos sim, estes contabilizam sempre, mas Jesus não. Jesus não se importa com as quantidades, ele na verdade, na maioria das suas parábolas, usa números e pessoas no singular: O Semeador (Mateus 13.5-8); O Joio (Mateus 13.24-30); O Grão de Mostarda (Mateus 13.31,32); O Fermento (Mateus 13.33); O Tesouro Escondido (Mateus 13.44); A Pérola (Mateus 13.45,46); A Rede (Mateus 13.47-50); A Ovelha Perdida (Mateus 18.12-14); O Credor Incompassivo (Mateus 18.23-35); A Semente (Marcos 4.26-29); O Bom Samaritano (Lucas 10.25-37); O Amigo Importuno (Lucas 11.5-8); O Rico Louco (Lucas 12.16-21); A Figueira Estéril (Lucas 13.6-9);  A Grande Ceia (Lucas 14.16-24); A Drácma Perdida (Lucas 15.8-10); O Filho Pródigo (Lucas 15.11-32); O Administrador Infiel (Lucas 16.1-9); O Rico e Lázaro (Lucas 16.19-31); O Juiz Iníquo (Lucas 18.1-8); O Fariseu e o Publicano (Lucas 18.9-14).

E poderíamos percorrer outras e outras passagens bíblicas onde o singular é valorizado por Deus. A pergunta mais impertinente que se pode fazer a um missionário é quantas pessoas ele já batizou em seu campo missionário. Esta pergunta é para medir a capacidade do obreiro, quanto mais pessoas tiver batizado, melhor missionário ele é. Será? Acredito que não, conheço histórias impressionantes que nos mostram que os números não fazem sentido na questão missionária.

Enquanto tentamos impressionar com os números de vários algarismos, pessoas à nossa volta sofrem e são desprezadas em sua singularidade. Quer saber se uma pessoa é um bom pastor, não procure saber quantos membros tem a sua igreja, nem qual o carro que ele conduz, nem seu salário ou quantos livros escreveu, mas vá perguntar as viúvas da sua igreja quantas vezes ele apareceu em suas casas, pergunte aos doentes da igreja quantas vezes eles foram visitados, pergunte aos desempregados quantas vezes o pastor perguntou se precisavam de alguma coisa ou ajudou de alguma forma. A eficácia do ministério não está na capacidade de atrair milhões, mas no impacto que podemos causar na vida de uma pessoa.

Rev. Luis A R Branco


[1] LIPOVETSKY, Gilles. A Felicidade Paradoxal, Ensaio Sobre A Sociedade do Hiperconsumo: Lisboa, Edições 70, página 44.

Anúncios

9 pensamentos sobre “O Twitter, a Lady Gaga, e Missões

  1. Meu caro Alex, fco impressionado e louvo a Deus, me alegro tremendamente contigo sobre estes textos. Você está escrevendo cada vez melhor e com idéias e conteúdos incríveis.

    Continue assim meu amigo, muitas pessoas serão grandemente abençoadas. Assim como eu fui esta manha ao ler este texto abençoado.

    Um abraço

    Pezini

  2. Boa noite Rev.Alex Branco,

    Uma questão que eu incremento ao seu artigo é a facilidade de seguir alguem do twitter, e a dificuldade de seguir a Cristo!!! Alem do que o seguir alguém no twitter é algo muito superficial, então simplesmente seguem, como alguns das multidões seguiam a Jesus só pra ver o que estava acontecendo.

    Abraços.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s